quinta-feira, 31 de março de 2011

incompl.


SEmpre me causou uma irreprimível indignação, ouvir autênticios incompetentes clamar pelo aumento do salário e de um modo mais lato das remunerações dos políticos, com base no princípuio de que é preciso assegurar que os melhores não fojem do serviço público.

Observar o que políticos da qualidade de um Cavaco Silva, de um Mário Soares ou mais presentemente de um Sócrates fizeram do País deveria constituir demonstração bastante da falácia da posição atrás referida.


Em '74, numa série de assembleias em que tive o privilégio de participar, pude confirmar que não é preciso ser-se professor da Faculdade de Direito nem ter ido tirar um curso de Economia a Inglaterra para ser terem posições exemplarmente lúcidas e de um esclarecimento admirável perante as quais as banalidades invariavelmente debitadas pelo mais do que medíocre político que nunca deixou de ser Mário Soares faziam figura de autênticas inanidades.


Vale a pena ter tudo isto presente quando até nós viajou um ex-operário que se tornou presidente de uma república que é hioje uma verdadeira potência mundial, em larga medida como resultado de políticas levadas a cabo por um não-profissional da política que ancançou aquele objectivo que foi, durante muito tempo, a coroa de glória argumentativa dos Estados Unidos: a possibilidade de um "simples" trabalhador chegar a presidente da república.


Segundo aquela visão exclusivista do cargo de representação política que comecei por recordar, de acordo cpom essa visão do exercício da política como território de intervenção de uma classe sacerdotal" de profissionais da representação que a úbnica coisa que representam, na realidade, são os sus pr´+oprios interesses e o das clientelas ao serviço de quem actuam, o Brasil de Lula estaria condenado à insignificância com a sua gestão entregue a um "leigo".


Ora, a verdade é que quando se compara o Brasil "de" Lula com o Portugal "de" Cavaco , Soares ou Sócrates, todo o embuste daquela posição atrás descrita fica a descoberto. CVavaco foi o chefe de um governo que desbaratou fundos europeus, supostamente destinados à estruturação de um modelo de desenvolvimento que, constatamo-lo agora, com Sócrates, faliu por inteiro, devido ao mau uso dado ao capital entrado em Portugal.


Com Soares e os seus duvidosos "amis" de Andrés Pérez ao singularíssimo homem de "esquerda" que foi Mittrã, Portugal tornou-se na prática no protectorado que, desde aí, nunca deixou de ser e que atingiu a pré [?] falência com a doença "socrática" que representa, a meu ver, de forma dificiolmente questionável, o apodrecimento de uma "infecção ideológica", social e política que vem já dos tempos de Bernstein [uma das assumidas referências do chamado "pê-ésse" em '74 e '75, tempos esses "de" BErnstein com os quais os do Portugal de hoje têm tantas evidentes analogias. Bernstein com a sua estúpida política de mordomo ou feitor político da direita alemã abriu a porta ao descrédito generalizado da social-democracia e ajudou a criuar as condições "ideais" para a ascensão de Hitler e do nazismo ao poder.


Com Sócrates é o "socialismo" que se desacredita aos olhos de uma sociedade politicamente iletrada incapaz de distinguir a moscambilha ideológica acoitada nas fileiras do ainda partido do governo de um genuíno pensamento socialista, que, aliás, nunca ali, em momento algum, efectivamente morou.


Não por acaso, um homem inteligente, um político lúcido e um historiador esxclarecido como Cunhal abominava veementemente a «aberração-pê-ésse», na qual via o "agente infiltrado" do capitalismo transnacional semopre disponível para voltar a fazer os fretes que Bernstein fez ao grande capital financeiro alemão e aos seus interesses belicistas tão tragicamente bem representados, eses sim, no sinistro nazi-fascismo e na eclosão do gigantesco negócio que foi para eles a II Guerra Mundial..


E nem colhe dizer-se que o grande capital que mesmo antes do final da guerra astuciosamente abandonou a mina de oiro de Siemens, Krupps e cª que Hitler manifestamente


[Na imagem: efígie de Eduard Bernstein]










Recetas para asesinar mediáticamente a un líder antiimperialista

A propósito de la virulenta campaña desencadenada en contra de Hugo Chávez durante su visita a la Argentina nos ha parecido oportuno publicar este incisivo análisis del filósofo y semiólogo mexicano Fernando Buen Abad Domínguez sobre las agresiones perpetradas en contra de líder bolivariano por parte de la “prensa seria e independiente” de todo el mundo.

Una ofensiva que reproduce similares campañas del terror con las cuales en el pasado se pretendió aplacar el impulso contestatario de las masas populares en América Latina y en el Caribe y crear las condiciones para un escarmiento reparador de tamaña osadía a cargo de los militares entrenados en esa gran cuna de libertades civiles y democráticas que es la Escuela de las Américas, cuyos siniestros influjos para nada preocupan a los oligopolios mediáticos de todo el mundo.


La izquierda de nuestro continente debería tomar adecuada nota de uno de los axiomas cruciales del pensamiento militar y estratégico estadounidense que dice que “en el mundo actual la guerra de contra insurgencia se libra en los medios de comunicación.”

Fue por eso que Fidel nos convocó a librar la “batalla de ideas”, aún antes de que los estrategas del Pentágono llegaran a aquella conclusión. Hemos reaccionado tardíamente a las indicaciones del Comandante, pero la grosería y desesperación de los poderes mediáticos, su inocultable ofuscación y los enormes esfuerzos y grandes sumas de dinero que están destinando para atacar a los principales exponentes de la izquierda latinoamericana revelan que las cosas están cambiando.


Su otrora omnímoda capacidad de deformar y manipular la conciencia pública tropieza en la actualidad con crecientes obstáculos; esta frustración está en la base de las cada vez más descaradas mentiras e incontenible agresividad descerrajada en estos días en contra del presidente Hugo Chávez.


Ofensivas digitales para incriminar, calumniar y desmoralizar...Violencia Semiótica contra Hugo ChávezFernando Buen Abad DomínguezRebelión/Universidad de la Filosofía Manipulan videos, manipulan dibujos, manipulan fotografías... para ridiculizar, descalificar y criminalizar.

Es difícil calcular el número de imágenes (visuales, sonoras o literarias), que circulan por todas partes, para ridiculizar la jerarquía política, la autoridad moral y el aliento revolucionario del presidente de Venezuela. No caeremos aquí en la trampa de reproducir alguna de esas imágenes pero tampoco caeremos en la trampa de guardar silencio ni escaparemos a la responsabilidad de dar la batalla semiótica que nos toca en el escenario mundial de Guerra Simbólica.


En última instancia no tendremos miedo de denunciar... (con miedosos ya están plagadas muchas ...(clic abajo para continuar) universidades, casi todas las sectas y muchas burocracias). ¿Suena esto a bravuconada?, ¿A belicismo?, ¿Suena, acaso, a “poco científico”?,

¿Suena a poco serio?.

Veamos.

El repertorio de las agresiones simbólicas contra el presidente Hugo Chávez, obedece a los protocolos ideológicos más ortodoxos de la “Guerra de IV Generación”. Se trata de perpetrar un crimen que, al ridiculizar u ofender al presidente de la nación, atenta contra la voluntad democrática de un pueblo. Y viceversa. Golpe bajo con las intenciones más perversas. Algunos dirán que es cosa del “sentido del humor”, otros dirán que “ejercen su libertad de expresión”, algunos más dirán que se trata de una “forma didáctica” de ejercer la disidencia y la crítica...

Hay canallas “tecnificados” que usan computadoras, cámaras de video, fotografías... los hay que ponen cámaras escondidas, micrófonos y dispositivos para la intercepción de correos electrónicos. No faltan los que espían los ordenadores e incluso los que espían e intervienen los “mail” y los “chats”.


Cualquier cosa les sirve para sembrar focos de violencia simbólica cuyo objetivo sea “quemar”, ridiculizado, a un mandatario democrático en hoguera de la manipulación tecnológica y la “plaza pública” del espionaje.


Incluso de lo más privado.

Las imágenes manipuladas son un relato claro de las perversiones que anidan en las mentes de quienes financian y/o realizan iconografías para la ofensiva oligarca.

Muchos están altamente tecnificados y consiguen piezas cargadas con volúmenes inexpugnables de violencia psíquica. Usan cualquier escena, de la vida real, de la intimidad, del espacio público...

nada detiene a los fines aviesos. Basta con que la imagen ofrezca un flanco, un gesto, una debilidad... una intimidad, para que se lo use como arma descalificadora, ridiculizante y desmoralizante. Se subordina la tecnología al goce de la degeneración y emerge de semejante coctel una galería monstruosa de iconos o animaciones constitutivos de un arsenal de ideas y gráficas explícitamente terroristas.

Muchos se hacen cómplices simplemente con las risotadas soeces. Hacen reinar la mentira. Así se empieza.Hasta hoy, para los nada escrupulosos espías financiados por oligarcas, vale oro -como receta bélica convencional- el golpe moral de someter a ridículo, exhibir como cadáver o mostrar en “actos impúdicos”... la imagen de un líder.

Si este es un líder transformador y revolucionario... les inspira mayores odios. Para ellos “todo vale” (menos los argumentos racionales, claro).


Para ellos toda desazón, todo descorazonamiento, todo miedo y toda duda son terreno codiciado. Su “Alma Mater” es el dinero y su fin último es desmovilizar al enemigo sin importar qué obscenidad haya que usar.

Hay ejemplos a raudales y se gasta, en ello, millonadas monstruosas.

El objetivo es sembrar el caos, sustituir los valores, obligar a creer en lo falso.

Representar una tragedia, la muerte, lo irreversible... y destruir la moral y la conciencia del otro. Especialmente si es socialista.Se trata de mancillar la imagen del líder, se trata de quebrar la dirección, se trata de quitar las ganas y degenerar los procesos revolucionarios que se desarrollan en el interior de la lucha de clases.


Todo sirve para semejante inmundicia: Literatura, cine, teatro... televisión...


Todos sometidos para que reflejen y ensalcen los intereses más bajos, más retrógrados. Se trata de sembrar e inculcar, en la conciencia colectiva, el miedo, el desconcierto, las dudas, la desconfianza y la sorna con tufo de violencia, sadismo y traición.


En concreto: cualquier tipo de inmoralidad.


Su idea es sembrar el mundo con caos y confusión y que eso que parezca un “paraíso” donde la violencia contra los pueblos sea activa y constante, déspota, corrupta... domine la falta total de principios, la muerte de la honradez y la honestidad que serán ridiculizadas, innecesarias y convertidas en causa de represión.

Mundo donde reina el descaro, la insolencia, el engaño y la mentira... la sangre todo lo envuelve, las degeneraciones sexuales se naturalizan con tufos de alcoholismo, drogadicción, miedo irracional, traición, fascismo y enemistad entre los pueblos, desconfianza entre las personas y sobre todo el reino del odio cultivado pertinazmente.


A Hugo Chávez se lo agrede inmisericordemente desde cualquier posición.


No importa si son locutores, lectores de noticias, sacerdotes o catedráticos.


Abren la boca preñada con odio para ridiculizar, por ejemplo, con tonitos sarcásticos... para manipular fotografías, videos o audio... para calumniarlo, desacreditarlo y sentenciarlo a convertirse en “desecho de la historia” producto (según no pocas mentes homicidas) de alguna bala o algún recurso como los que, incluso por televisión, se le han vaticinado.


Todo queda en la impunidad. En sus intenciones más abyectas los manipuladores de imágenes y sonidos (de imaginarios incluso magnicidas) ponen por “target” a los jóvenes para corromperlos, desmoralizarlos y pervertirlos.


Ya hay videojuegos al respecto.


Podríamos formar un expediente del horror inmenso si juntásemos, sólo, en una casuística latinoamericana todas las formas de agresión simbólica contra Hugo Chávez que se publican a diario.


Todas las risitas mañaneras de los lebreles periodísticos, todas las noticias deformadas para exhibirlo como “ineficiente”, “autoritario”, “dictador” y “comunista”•

A propósito de la virulenta campaña desencadenada en contra de Hugo Chávez durante su visita a la Argentina nos ha parecido oportuno publicar este incisivo análisis del filósofo y semiólogo mexicano Fernando Buen Abad Domínguez sobre las agresiones perpetradas en contra de líder bolivariano por parte de la “prensa seria e independiente” de todo el mundo.


Una ofensiva que reproduce similares campañas del terror con las cuales en el pasado se pretendió aplacar el impulso contestatario de las masas populares en América Latina y en el Caribe y crear las condiciones para un escarmiento reparador de tamaña osadía a cargo de los militares entrenados en esa gran cuna de libertades civiles y democráticas que es la Escuela de las Américas, cuyos siniestros influjos para nada preocupan a los oligopolios mediáticos de todo el mundo.

La izquierda de nuestro continente debería tomar adecuada nota de uno de los axiomas cruciales del pensamiento militar y estratégico estadounidense que dice que “en el mundo actual la guerra de contra insurgencia se libra en los medios de comunicación.

Fue por eso que Fidel nos convocó a librar la “batalla de ideas”, aún antes de que los estrategas del Pentágono llegaran a aquella conclusión.

Hemos reaccionado tardíamente a las indicaciones del Comandante, pero la grosería y desesperación de los poderes mediáticos, su inocultable ofuscación y los enormes esfuerzos y grandes sumas de dinero que están destinando para atacar a los principales exponentes de la izquierda latinoamericana revelan que las cosas están cambiando.

Su otrora omnímoda capacidad de deformar y manipular la conciencia pública tropieza en la actualidad con crecientes obstáculos; esta frustración está en la base de las cada vez más descaradas mentiras e incontenible agresividad descerrajada en estos días en contra del presidente Hugo Chávez.


Ofensivas digitales para incriminar, calumniar y desmoralizar...

Violencia Semiótica contra Hugo Chávez Fernando Buen Abad Domínguez Rebelión/Universidad de la Filosofía Manipulan videos, manipulan dibujos, manipulan fotografías... para ridiculizar, descalificar y criminalizar.


Es difícil calcular el número de imágenes (visuales, sonoras o literarias), que circulan por todas partes, para ridiculizar la jerarquía política, la autoridad moral y el aliento revolucionario del presidente de Venezuela.


No caeremos aquí en la trampa de reproducir alguna de esas imágenes pero tampoco caeremos en la trampa de guardar silencio ni escaparemos a la responsabilidad de dar la batalla semiótica que nos toca en el escenario mundial de Guerra Simbólica.


En última instancia no tendremos miedo de denunciar... (con miedosos ya están plagadas muchas ...(clic abajo para continuar) universidades, casi todas las sectas y muchas burocracias). ¿Suena esto a bravuconada?, ¿A belicismo?, ¿Suena, acaso, a “poco científico”?, ¿Suena a poco serio?. Veamos.El repertorio de las agresiones simbólicas contra el presidente Hugo Chávez, obedece a los protocolos ideológicos más ortodoxos de la “Guerra de IV Generación”.


Se trata de perpetrar un crimen que, al ridiculizar u ofender al presidente de la nación, atenta contra la voluntad democrática de un pueblo. Y viceversa. Golpe bajo con las intenciones más perversas. Algunos dirán que es cosa del “sentido del humor”, otros dirán que “ejercen su libertad de expresión”, algunos más dirán que se trata de una “forma didáctica” de ejercer la disidencia y la crítica... Hay canallas “tecnificados” que usan computadoras, cámaras de video, fotografías... los hay que ponen cámaras escondidas, micrófonos y dispositivos para la intercepción de correos electrónicos.


No faltan los que espían los ordenadores e incluso los que espían e intervienen los “mail” y los “chats”. Cualquier cosa les sirve para sembrar focos de violencia simbólica cuyo objetivo sea “quemar”, ridiculizado, a un mandatario democrático en hoguera de la manipulación tecnológica y la “plaza pública” del espionaje. Incluso de lo más privado.


Las imágenes manipuladas son un relato claro de las perversiones que anidan en las mentes de quienes financian y/o realizan iconografías para la ofensiva oligarca.


Muchos están altamente tecnificados y consiguen piezas cargadas con volúmenes inexpugnables de violencia psíquica. Usan cualquier escena, de la vida real, de la intimidad, del espacio público... nada detiene a los fines aviesos.


Basta con que la imagen ofrezca un flanco, un gesto, una debilidad... una intimidad, para que se lo use como arma descalificadora, ridiculizante y desmoralizante.


Se subordina la tecnología al goce de la degeneración y emerge de semejante coctel una galería monstruosa de iconos o animaciones constitutivos de un arsenal de ideas y gráficas explícitamente terroristas. Muchos se hacen cómplices simplemente con las risotadas soeces. Hacen reinar la mentira.


Así se empieza.


Hasta hoy, para los nada escrupulosos espías financiados por oligarcas, vale oro -como receta bélica convencional- el golpe moral de someter a ridículo, exhibir como cadáver o mostrar en “actos impúdicos”... la imagen de un líder. Si este es un líder transformador y revolucionario... les inspira mayores odios.

Para ellos “todo vale” (menos los argumentos racionales, claro).

Para ellos toda desazón, todo descorazonamiento, todo miedo y toda duda son terreno codiciado.

Su “Alma Mater” es el dinero y su fin último es desmovilizar al enemigo sin importar qué obscenidad haya que usar. Hay ejemplos a raudales y se gasta, en ello, millonadas monstruosas.

El objetivo es sembrar el caos, sustituir los valores, obligar a creer en lo falso. Representar una tragedia, la muerte, lo irreversible... y destruir la moral y la conciencia del otro. Especialmente si es socialista.Se trata de mancillar la imagen del líder, se trata de quebrar la dirección, se trata de quitar las ganas y degenerar los procesos revolucionarios que se desarrollan en el interior de la lucha de clases. Todo sirve para semejante inmundicia:


Literatura, cine, teatro... televisión... todos sometidos para que reflejen y ensalcen los intereses más bajos, más retrógrados.

Se trata de sembrar e inculcar, en la conciencia colectiva, el miedo, el desconcierto, las dudas, la desconfianza y la sorna con tufo de violencia, sadismo y traición. En concreto: cualquier tipo de inmoralidad.Su idea es sembrar el mundo con caos y confusión y que eso que parezca un “paraíso” donde la violencia contra los pueblos sea activa y constante, déspota, corrupta... domine la falta total de principios, la muerte de la honradez y la honestidad que serán ridiculizadas, innecesarias y convertidas en causa de represión.

Mundo donde reina el descaro, la insolencia, el engaño y la mentira... la sangre todo lo envuelve, las degeneraciones sexuales se naturalizan con tufos de alcoholismo, drogadicción, miedo irracional, traición, fascismo y enemistad entre los pueblos, desconfianza entre las personas y sobre todo el reino del odio cultivado pertinazmente.

A Hugo Chávez se lo agrede inmisericordemente desde cualquier posición. No importa si son locutores, lectores de noticias, sacerdotes o catedráticos.


Abren la boca preñada con odio para ridiculizar, por ejemplo, con tonitos sarcásticos... para manipular fotografías, videos o audio... para calumniarlo, desacreditarlo y sentenciarlo a convertirse en “desecho de la historia” producto (según no pocas mentes homicidas) de alguna bala o algún recurso como los que, incluso por televisión, se le han vaticinado. Todo queda en la impunidad. En sus intenciones más abyectas los manipuladores de imágenes y sonidos (de imaginarios incluso magnicidas) ponen por “target” a los jóvenes para corromperlos, desmoralizarlos y pervertirlos.

Ya hay videojuegos al respecto.


Podríamos formar un expediente del horror inmenso si juntásemos, sólo, en una casuística latinoamericana todas las formas de agresión simbólica contra Hugo Chávez que se publican a diario. Todas las risitas mañaneras de los lebreles periodísticos, todas las noticias deformadas para exhibirlo como “ineficiente”, “autoritario”, “dictador” y “comunista”.


Todas las fotografías, los “pies de fotos”, los videos y las pistas de sonido, prefabricadas para que se vea lo “ intransigente”, lo “antidemocrático”, lo “amenazador” que es Chávez.


Podemos estudiarlo y debemos denunciarlo, a los cuatro vientos y a voz en cuello.


Debemos ejercitar la denuncia y entrenar la contraofensiva.


Debemos cumplir nuestras tareas, por razón de justicia y por el bien de todos... mientras echamos nuestras barbas a remojar porque todos podemos ser la próxima víctima. Sonrían, nos están filmando.as las fotografías, los “pies de fotos”, los videos y las pistas de sonido, prefabricadas para que se vea lo “ intransigente”, lo “antidemocrático”, lo “amenazador” que es Chávez..

Podemos estudiarlo y debemos denunciarlo, a los cuatro vientos y a voz en cuello. Debemos ejercitar la denuncia y entrenar la contraofensiva.


Debemos cumplir nuestras tareas, por razón de justicia y por el bien de todos... mientras echamos nuestras barbas a remojar porque todos podemos ser la próxima víctima.

Sonrían, nos están filmando.

[Victor López López no "Facebook".

segunda-feira, 28 de março de 2011


Retenho [e deixo registada] aqui uma frase da presidente da república do Brasil numa enterevista à SIC: "País rico é aquele onde não tem pobre".

Ao contrário dos em boa hora depostos "socialistas" portugueses que admitiam na prática, quanto mais não seja de forma implícita, a "normalidade" de haver "Desenvolvimento" e "progresso" com uma sociedade generalizadamente pauperizada e maciçamente sujeita à abjecção do dessemprego e da precariedade laboral, Dilma Rousseff mantém, nestas matérrias uma postura socialmente digna e decorosa que talvez explique por que motivo o Brasil caminha a passos seguros para a aquisição do estatuto de geo-potência emergente.

"Notas Para a Tese"


A tese que pretendo defender no texto sobre "O pensar diatópico como típico pensar português" assenta basicamente na ideia de que a emergência e a fixação de um paradigma judaico-cristão no domínio da reprentação estável da realidade bloqueou todo o processo histórico de formação de modelos estáveis e tópicos de consciência do real, inclusive do real social.

Trata-se, a meu ver, de um a forma de pensar in/essencialmente mágico primitivo adoptado e mutado no sentido de uma reconhecível complexificação onde as fórnmulas originais destinadas a promover a impressão de controlo sobre o funcionamento da realidade já integraram comnplexifuicações do modelo original, integrando noções como as de "pecado" [mutação com pessoalização do primitivo "tabu"] mas, de igual modo, de "penitência" [variante do motivo sacrificial primitivo, sublinhando o novo e mais complexo papel do indivíduo no processo de transformação do real.
Em meu entender, com efeito, os primitivos tentames de explicação e transformação ou controlo da realidade passam pela contrução mental e, em seguida, cultu[r]asl do tabu, violado o qual, a realidade desencadeia sobre o indivíduo e a comubnidade uma série de forças destruidoras.
No tabu, o papel do indivíduo é em geral, passivo, i.e. muitas vezes viola um espaço tabu, inadvertida e, em muitos casos inconscientemente. Isto é muito claro na tragédia grega onde o motivo do tabu primittivo surge já algo "mutado" e consideravelmente complexificado, ritualizado na própria tragédia como entidade. Nestras formas primitivas de cienciação da realidade, tentando antecipá-la e prevê-la,reduzi-la a um quadro abstracto ou mesmo teórico obtido a partir dela, ou seja, em última análise, dominá-la, a culpa surge muitas vezes como algo de in-definido e difuso sendo que o causador da ruptura da ordem ou mesmo dos estados de franca des-ordem aparecem, muitas vezes, muito mais como vítimas do que propriamente cullpados.

As religiões monoteístas valorizam, individualizando-a a noção da responsabilidade na ruptura da ordem. A partir daí, desse grau de complexificação do próprio paradigma de explicação da realidade, já pode surgir em toda a sua extensão, a ideia ou a perceoção da culpa. Daí que o motivo do sacrfício ritual conmo que se vire para si mesmo e, ele próprio se torne uma circunstância, basicamente individual e, portabnto, pessoal. Agora não são precisos sacrifícios mas de fsacto que o culpado sofra e expie a sua culpa. Que morra no indivíduo o "pecador" e re/nasça o inocente. Neste novo quadro representacional, o indivídiuo não precisa que o matem num poste sdacrificial. Vai ele mesmo tomar a inciativa de morrer. Os quadros iniciáticoas e esotéricoas de explicação do real, valorizam e consagram formalmente esta morte.

Ora, é a meu ver da interiorização e generalização deste "suicídio ritual" libertador que, passa para o domínio do social, as bases conceptuais da tanatopia tão bem expressa, na construção cukltu[r]al morte dem torno da morte de Inês de Castro. Agora, a morte não representa já um mero estágio no caminho patra a perfeição e para a reinstalação da ordem mas um verdadeiro pressuposto. Morta, Inês deixa de ser o elemento subversor de uma sociedade inteira e passa a ser uma vítima. Não por acaso n' "A Paixão de Pedro o Cru", Lopes Vieira aponta para uma aproximação final de Inês à própria Rainha Santa. Tal como eu a vejo, a construção cultu[r]al envolovendo a corioação do cadáver de Inês, tem evidentes anaslogias com io sebastianismo: D. Sebastião, o jovem irreflectido que arrasta o País para uma guerra que quase o aniquila e para uma crise dinástica dificílima de resolver, começa por ser o rei incapaz que só pensa enm caçar e fazer guerras de Cruzada completamente ultrapassada; D. Sebastião, dizia, uma vez morto passa de rei incapaz no seu tempo para rei ideal de todos os tempos. A morte tal como sucede com o próprio Cristo, liberta-o das suas circunstâncias falíveis, logo, num certo sentido popular e não só, é possível dizer que a morte o salvou.

Há um evidente fundo crístico no sebastianismo como, de resto, acontece no motivário inêsiano.

Inês e Sebastião, insisto, tiveram de morrer [forma limite de situação sacrificial para se libertarem dos erros que induziam a des-ordem.

A morte converte-se assim, também no plano social e político, numa espécie de estação para a reciomposição da ordem.

Portugal é um país sem um proletariado historicamente habituado a tomar em mãos, como sucede em França, por exemplo, as tarefas de mudança social e, por consehguinte, a inyeriorizar uma [sub]consciência de efectivo embora, em muitos casos, apenas potencial poder próprio: confia, sobretudo, na intervenção da imanência senão mesmo do sagrado que pode assumir a forma de um Mouisés, i.e. um chefe providencial imanente à História re/criado à imagem do próprio Deus.

Isto explica que a sociedade portuguesa pareça sempre, de um modo ou de outro, disponível para se auto-imolar [se oferecer em sacrifício] enquanto comunidade detentora de direitos cívicos, sociais e políticos, aceitando prescindir deles para ter a protecção do "Pai" que vem à Hiatória conferir-lhe ou devolver-lhe uma direcção e um sentido.

É neste sentido preciso que eu digo que a interiorização e projecção no social do paradigma de organização ou "explicação" judio-criastão da realidade actuou como um travão e um bloqueio estável à libertação social e política da sociedade portuguesa que até comelçou de forma promissora, como recorda Álvaro Cunhal na sua "Luta de Clases na Idade Média Poertuguesa" quando fala da emergência e afirmaçãio de uma burguesis medieval capa de arrebatar direitos à aristocracia e, em seguida, de lutar e mesnmo morrer por eles. Com o tempo, porém, a acção bloqueadora do providencialismo como forma de domar a realidade, fez-ase sentir e acabou por triunfar no imaginário social e político colectivo, sempre à espwera do seu Moisés, sempre vendo o sentido para a História fora da acção determinada e determinante dos indivíduos intervindo organizadamente na transformação do real.

É isto a Diatopia, a utopia sem data precisa, dependente, na prática, não do ds homens mas de um "calendário da divindade" ao qual apenas se pode aspirar pela espera paciente we pela aceitação incondicional ou sacrificial.

Diatopia a que também chamo tanatopia uma vez que a forma limite de passividade é a própria Morte da qual existe, como vimos, pronta a ser apercebida e apropriada mutatis mutandis, como tenho vindo a dizer, toda uma cultura fornecida, como também disse, pelos quaderos mentais ligados à tradição judaico-cristã, onde a morte desempenha, como se sabe, um papel verdadeiramente crucial como pressuposto de «libertação» e/ou purificação.

É obviamente aqui que entra o motivário inesiano, na forma de súmla e símbolo electivos deste ideário tanatópico que coloca a morte no centro.

domingo, 27 de março de 2011

"Elisabeth Taylor"

Ainda a morte de Elisabeth Taylor. Dela diz um seu biógrafo mais ou menos "cor-de-rosa" [1] que, filha de uma ex-actriz, começou desde criançaa ser preparada no sentido de ser ela própria actriz.

Desse treino faziam aparentemente parte aulas de equitação tendo, aliás, chegado a ser tão boa amazona que consta ter sido a única pessoa a conseguir montar e dominar uma sua égua, "Betty", cujas "proezas" incluiam derrubar o ex-primeiro ministro britânico Sir Anthony Eden, visita de casa de seus pais, de cada vez que tentou montá-la.

[*] Frank Brown

[Na imagem: uma muito juvenil Elisabeth Taylor em início de carreira com Mickey Rooney [de boné] em "National Velvet"

"Um Projecto Pessoal-II"


Lutando denodadamente com a costumeira preguiça, agora agravada pelos recentes "acontecimentos" em matéria de saúde [ou da falta dela...], comecei as consultas seleccionadas na minha biblioteca a que finalmente pude ter acesso. Isto, com vista À elaboração do texto da provável tese de mestrado que tenciono redigir o mais brevemente possível possivelmente subordinada ao tema da "A Diatopia ou Tanatopia NacionaL"

sábado, 26 de março de 2011

Kim Novak, uma 'Cleópatra' que não o foi

Chegou a ser uma opção para o papel que, por pressão de Walter Wanger, o produtor independente de "Claópatra" viria a ser entregue a Elisabeth Yaylor após um período em que. como Wanger escreve no seu "My Life With Cleopatra", "The studio would't have Elisabeth Taylor in a picture" [Walter Wanger op.cit. pág. 11.

"«Cleópatra»: Alguns'faux pas' no Elenco Para O Papel de 'Marco António' "

Yul Brynner Burt Lencaster Kirk Douglas Richard Baseheart Alguns nomes indicados pelo grupo de trabalho que preparou "Cleópatra" para o papel de 'Mark Antony', mais tarde entregue a Richard Burton.

sexta-feira, 25 de março de 2011

"Assembleia dos Ausentes"


Colagem sobre papel de Carlos Machado Acabado, uma denúncia das brutais arbitrariedades a que está sujeito o povo palestiniano às mãos do ocupante judaico.

"«Cleópatra»: um excerto quase textual de diálogo do filme de Mankiewicz"


Do diálogo de "Cleópatra" de Joseph L. Mankiewicz:

Cleopatra: You will kneel!

Mark Antony: I will what??!!


Cleopatra: On your kness!!


Mark Antony: Are you asking me to kneel before you??!!

Claopatra: I asked it to Julius Caeser. I command you!

Lawrence Durrell, escritor britânico, autor d' "O Quarteto de Alexandia" ["Justine", "Balthasar", Mountolive" e "Clea" e que colaborou na elaboração do guião de "Cleopatra" de Joseph L. Mankiewicz.

"Cleóopatra": a primeira 'Cleópatra' cinematográfica


Theda Bara, a primeira Cleópatra cinematográfica [1917]

"«Cleopatra: os homens de... O 'César' que recusou sê-lo"


Por vontade da alguns investidores de "Cleópatra", Laurence Olivier seria 'César'. O actor recusou, considerando que protagonizar o filme não seria susceptível de enriquecer o seu [aliás, notabilíssimo] currículo de actor.

Sobre o episódio, escreve Walter Wanger em "My Life With Cleopatra" [edição Bantam Books Nova iorque s/d].


"Saw Larry Olivier, who after much thought has decided against Ceasar. He has played Shaw's Ceasar and Cleopatra and Shakespeare's Antony and Cleopatra and said frankly that he didn't think he could add to his luster by doing this motion picture [cf. Walter Wanger, op. cit. pág. 19]

"«Cleopatra»: os homens de..."

James Mason
Cary Grant
James Mason e Cary Grant, dois dos intérpretes preferidos do 'box office' e de alguns investidores seus representantes.

"Cleópatra": os homens de...

Stephen Boyd
Peter Finch

Um 'Marco António' e um 'César' que não vingaram. Chegaram ambos a ser chamados ao elenco de "Cleópatra" nos papéis que haveriam de ser de Rex Harrison e Richard Burton. Há inclusivamente sequências filmadas com eles em Londres, nos estúdios da Pinewood, onde a película esteve para ser toda ela filmada, com Finch no papel de 'César' e e Stephen Boyd no papel de 'Marco António'.

"«Cleópatra" de Joseph L. Mankiewicz: várias outras possíveis 'Cleópatras' que, todavia, não chegaram a sê-lo"

Barbara Steele
Millie Perkins

Brigitte Bardot


Suzy Parker


Susan Hayward


Audrey Hepburn


joan Collins

Sofia Loren

Gina Lollobrigida

Joanne Woodward


Várias hipotéticas 'Cleópatras' que nunca o foram...

Várias hipóteses de "leading lady" para o "title rôle" do filme que foi de Mankiewicz mas que começou por ser de Rouben Mamoulian e que até poderia ter sido de Alfred Hitchcock...

A propósito da escolha final de Elisabeth Taylor o produtor Spiros Skouras terá dito ao produtor independente, Walter Wanger, que insistia em Taylor para o papel: "You're a stubborn sonofabitch. You've ruined us by having that girl in the picture. We'll never finish the picture with her. I wish to hell we'd done it with Joanne Woodward or Susan Hayward--we'd be making money now."

A fazer fé no próprio, Taylor terá, com efeito, sido uma aposta pessoal de Wanger que teve, segundo ele mesmo relata em "My Life with Cleopatra" todo o trabalho deste mundo para impô-la.

quarta-feira, 23 de março de 2011

"Plutão e Perséfone por Bernini"


Elisabeth Taylor, "Sois belle et tais-toi! [1897-2011]


O que parecia impossível aconteceu ontem: a morte de um ser... "imortal": Elisabeth Taylor.

Num mundo como o de hoje povoado de Charlie Sheens e Madonnas, é difícil apreender em toda a sua "escandalosa" extrensão, o que foi o mito de Elisabeth Taylor nos púdicos anos e décadas do salazariasmo: o casamento com o marido da melhor amiga: Eddie Fisher [também ele recentemente falecido e que se divotciou de Debbie Reynolds para casar com Taylor], o casamento e o divótcio com novo casamento com Richard Burton, as ruidosas discussões entre ambos, o fenómeno "Cleópatra" [um mega-sucesso pop que o não terá sido tanto do ponto de vista comercial que ajudou a consagrar, Taylor como "man-eater". Tudo isto excitava prodigiosamente, de modo, repito, difícil de apreender hoje, o amodorrado e forçadamente "recatado" Portugal de '50 e '60.

E, no entanto, Taylor foi mais do que um ponto absolutamente referencial do "star system": fcomeçou potr ser actriz: foi a menina ingénua dos primeiros "Lassie", foi, depois, a deslumbrante "leading lady" de "Raintree County" do equívoco Edward Dmytryk na pwersionagem da "southern Belle" à la Scarlett O'Harapor quem Monty Clift se perdia de amores a ponto de por ela sacrificar um casamento "respeitável", numa espécie de espelho que foi, também prenúncio do que se passaria na vida real com o já citado "caso" Eddie Fisher/Debbie Reynolds.

Além de Cleópatra, Taylor foi, ao lado de Burton, a explosiva "megera aprisionada" de Shakespeare cinematograficamente "revista" pelo muito oportunista e "comercialão" Zefirelli, num filme que aproveitou, também ele, a "boleia" de uma certa imagem pública da estrela agora desaparececida [asperamente posta em causa pelo próprio Papa que a catalogou como "vagabunda sexual"] .

"Fez"ainda [diria eu: "como pôde", "with lots of sound and fury as was required"] Tennessee Wuilliams num papel clássico: o de "Maggie, a gata" em "Cat On A Hot Tin Roof" de R. Brooks, com *aul Newman e Burl Ives. Além de Williams "fez" ainda Albee no cinema, ao lado do inevitável Burton em "Who's Afraid of Virginia Wolf?" além de protagonizar uma adaptação de Carson McCullers, "Reflections In A Golden Eye"" ao lado de Marlon Brando, Brian Keith e de uma quase perfeita Julie Harris.

Taylor foi, como atráss digo, uma refeência no contexto do "star system" cuja carreira foi consistentemente orientada no sentido da "recuperação de uma imagem público tumultuosa que era quase garantia prévia de sucesso em termos de "box office", objectivo procurado e alcançado sempre em detrimento da actriz.

Além do que atrás refiro, a sua extraordinária beleza terá igualmente contribuido, como tantas vezes sucede, de forma perversa para ofuscar as qualidades da actriz em detrimento da "estrela".
Faleceu ontem com 79 anos.

terça-feira, 15 de março de 2011

"Sobre Francisco Louçã e o BE" [Republicado do «Facebook»}


Notável a entrevista recente de Francisco Louçã ao "Público". DE vez em quando sabe bem ver alguém lúcido discorrer sobre a realidade que nos cerca e que, depois de a [não!] vermos retratada noutros discursos nos parece já nem sermos capazes de reconhecer.
Com Louçã, tudo faz sentido, tudo é cristalino e familiar. Não consigo deixar de pensar como gostaria de viver num Portugal onde Louçã dispusesse de algum efectivo poder e fosse ele quem viesse regularmente a público [e já não ocasionalmente ao "Público"] discorrer connosco sobre a nossa realidade colectiva comum. Posso discordar de alguns posicionamentos de Louçã e do Bloco mas não tenho reservas relativamente à qualidade do discurso de um como de outro, lamentando, apenas, enquanto homem de esquerda, alguma falta de organicidade no do BE ao qual faltará, a meu ver, residindo aí a sua possível maior debilidade, um núcleo ideológico discernível, uma teoria da realidade claramente identificável, ficando o partido muito refém da qualidade dos seus membros [que é, como digo, em geral muito alta] fenómeno que poderá estar na base de algumas confusões e discrepâncias de circunstância.
E não se trata apenas de Louçã: há Fernando Rosas, um académico [no melhor sentido do termo, note-se e sublinhe-se!] extremamente abalizado e consistente há uma série de outros militantes de muito boa qualidade como João Teixeira Lopes, que ainda hoje deu uma excelente entrevista à RTP [N] a que me refiro noutro ponto dos quais é muito difícil, em geral, discordar. . DEvo dizer, no entanto que aquela pecha da falta de uma ideologia estável de onde pudesse sair um teoria orgânica do real até nem tem, vendo bem as coisas, de ser necessariamente um mal.
A má qualidade , do que passa entre nós opor democracia e siastema democrático, com efeito, justifica a existência de instituições descentrais ao sistema operando como uma espécie de grande consciência crítica, designadamente ética do próprio siastema ainda que, nesse caso, me poareça que elas deviam sempre posicionar-se fora do sistema reflectindo-o e pensando-o numa perspectiva humanista e em geral ética que manifesta e demonstravelment lhe tem desde sempre faltado.
Pessoalmente e para terminar, não sendo eu bloquista, não tenho qualquer dúvida em afirmar que um governo de que fizessem parte Rosas ou Louçã, dispondo eles de algum poder real, repito,só poderia ser um governo da Inteligência e da Cultura, um governo como de 1975 para cá Portugal nunca conheceu....

The Man from Laramie (trailer)

IL FALLIMENTO E LA TRAGEDIA DEL NUCLEARE [do PCl Venezia no «Facebook»]


La catastrofe naturale che ha colpito il Giappone e la conseguente gravissima emergenza provocata dalle fughe radioattive della danneggiata centrale nucleare di Fukushima, ripropone con forza la necessità delle lotte delle popolazioni contro gli interessi del capitalismo ai danni della vita e dell’ ambiente.

[Imagem ilustrativa extrída com vénia de yahoo-dot-coom]

ANTHONY MANN DIRECTS JAMES STEWART

Breve reflexão pessoal sobre alguns aspectos do Cinema Português a partir de uma citação de Óscar Lopes [incompl.]


Uma citação de Óscar Lopes [do seu "Álbum de Família" [prémio Vida Literária] edição Associação Portuguesa de Escritores, sob licença da editorial Caminho, Lisboa, 2001 que pode, em meu entender, ajudar a fazer luz sobre a "crise" do cinema português.

Cinema português marcado, em meu entender, por uma série de equívocos que incluem eo enorme equívoco da adopção por parte dos mídia e do "consumo" de uma terminologia "pós-cinematográfica" onde a designação de "ficção portuguesa" tende a sobrpor-se à designação clássica de 'Cinema'.

De facto, o que passa geralmente hoje por ficção nacional resume-se a uma proliferação de "historietas de faca e alguidar" mal filmadas, com "estórias" que parecem saídas directamente de "imaginações" tipo Corín Tellado ou Max du Veuzit, populares antepassadas das Barbaras Carttland ou das Danielle Steele de hoje, "estórias inenarráveis" protagonizadas por falsos actores «produzidos» estes [literalmente] em série, passadas na programação-horário "nobre" das televisões com o alibi de serem precisamente "coisas nacionais, «nossas».

A citação de Óscar Lope--que refiro no título e me proponho aqui trazer parece feita de propósitio para referir-se a este tipo de" objecto ficcional" mil vezes repetido com alterações de mera circunstância re-encaixadas "a martelo" em historietas inverosímeis--é a seguinte:

"Quando recebemos uma mensagem, geralmente pouca atenção prestamos ao código utilizado
nessa mensagem, porque em geral a sua decifração é automática, ou melhor, se automatizou. Mas se, à margem da leitura mais ou menos espontânea de um romance ou novela, conseguitrmos reflectir sobre as condições de enredom as condições de pssicologia, as condições de ambiente, as condições de valorização, positiva ou negativa, a que um romance ou novela obedecem, então, a nossa recepção da mensagem, já ciente de alguns dos cordelinhos invisíveis, de aslgumas das suas miolas de interesse, começa a tornar-se diferente."

Se, com efeito, a meu ver, em vez de "romance ou novela", lermos no texto que reproduzo, "tele-novela", perceberemos imediatamente onde termina a produção industrial e [não] começa a artística em matéria de ficção, nacional ou não.

E é, sempre em minha opinião, precisamente porque temos públicos "educados" ou melhor: treinados para não pensarem sempre que se trate da descodificação de mensagens televisivas sucessivamente repetidas que muitos autores de cinema tendem, entre nós, a fazer o trabalho de casa pelo público, caricaturando, no fundo, aquilo que Orson Wells fez, com dificilmente imitável qualidade, no seu clássico-dos clássicos "Citizen Kane": uma reflexão prática sobre a forma da própria narrativa.

É efectivamente isso o que muitos cineastas nacionais, a começar pelo "patriarca" Oliveira, fazem nos seus filmes substituindo-se à actividade autónoma do espectador, dispensado pelo "treino" televisivo regular de pensar [n]o que vê.

Em França, estas questão originou em tempos, nos "Cahiers" a "recuperação" para o campo do cinema sério, a partir de uma célebre e polémica dicotomia envolvendo o "cinema-indústria" norte-americano, por um lado e o cinema dito "de autor", de muitas obras constantes até aí da primeira daquelas "categorias".

De facto, a "dicotomia" era, como é hoje reconhecdo por muitos, muito mais aparente do que real. Muito do cinema-indústria de qualidade era, não apenas Cinema industrial como também, a seu modo, "de autor" na medida em que, mesmo considerando que no caso da indústria norte-americana, as formas de divisão do trabalho cinematográfico tendiam naturalmente a relativizar um pouco, ao menos potencialmente, o papel, central, por vezes, taumatúrgico do realizador, é sempre possível distinguir traços identitários na Obra dos grandes cineastas norte-americanos de Ford a Hawks, passando por William Wellmann passando por um realizador de que pessoalmente gosto muito: Anthony Mann.
Às vezes, tudo começava na escolha do elenco, havendo colaborações entre realizador e actor[es]que se tornaram só por si marcas identitárias: a de Ford e John Wayne, por exemplo ou a de Mann e Jimmy Stewart em "westerns" admiráveis, como "Winchester 73" ou o meu preferido "The Man From Laramie", um western injustamente esquecido sempre que se trata de referir os melhores de sempre no género.

Em Hawks era a camaraderie entre homens, a definição de poderosos universos androcêntricos senão mesmo dignamente androcratas, eram as histórias de amor entre eles um motivo que, em "Rio Bravo", um filme feito a partir de uma estória trabalhada curiosamente por uma mulher Leigh Brackett se cruza magistralmente com o do reafirmação da dignidade de um deles com o recurso à inestimável cumplicidade dos restantes. A "estória" de 'Dude'/'El Borrachón', um soberbo Dean Martin no apogeu da respectuiva carreira como actor dramático,

Na linha daquilo que o grande Ford faria de forma notabilíssima e hoje clássica em "The Man Who Shot Liberty Valance", Mann e Stewart focaram a sua colaboração na figura do homem que crente em valores que não a violência prefere argumentar a lutar, uma figura particularmente difícil de trabalhar no western, sendo este, como é sabido, a epopeia de um país onde a palavra e a acção surgem, demasiadas vezes, como entidades antagónicas quase ou mesmo abertamente inconciliáveis, preferindo a vox populi contrapor a "action" à "word", reservada esta para os "politicos", que neste contexto cosmovisional dual muito característico surgem muitas vezes como associados àquela que, para muitos americanos constitui uma verdadeira "four letter word": "politics".
De resto, a ajudar à relativização da dualidade em causa existem documentos perfeitamente esclarecedores como por exemplo, o depoimento de Howard Hawks, prestado a Andrew Sarris [Cf. "Entrevistas com directores de cine", edição "Novelas y Cuentos", Madrid,1972 onde Hawks se refere à montagem que ele afirma "odiar", acrescentando: "Quando me iniciei na profissão, os produtores receavam que eu fizesse filmes excessivamente curtos porque nunca lhes fazia chegar película suficiente para ser montada. E eu disse: «não quero que os senhores façam o filme na sala de montagem. quero ser eu a fazê-lo no set e e se não estiverem de acordo, tanto pior.
Não quero com isto dizer que a montagem não é um trabalho sério muito em especial se se filmou mal. Horroriza-me a montagem porque, quando vejo o meu trabalho uma segunda vez, dou por vezes comigo a dizer: «isto aqui está mal» e «ali também» e «mais ali e ali». É muito difícil separar as coisas, distinguir. O filme é achar o argumento certo, decidir o modo de contá-lo em cinema, decidir aquilo que se vai filmar e o que, pelo contrário, não se vai mostrar. Uma vez iniciada a rodagem, tudo se me torna muito claro: trabalham-se aqui e ali certos pormenores que valorizam o filme no seu todo."
É evidente a preocupação do realizador de fazer realmente o seu filme de princípio ao fim. Se não estamos perante um autor, que será que falta a quem assim concebe o trabalho do realizador para integrar legitimamente a "categoria" em causa?
Significativamente, Hawks responderá ainda assim a uma outra questão do entrevistador ["Trabalha sempre sobre guiões seus?"]
["Desde o princípio e em todos os meus filmes".]
"FIlmo", dirá ainda, "como se estivesse a fazer a montagem com a própria câmara".
Uma concepção de cinema e da narrativa, da arte de narrar que, seguramente lhe permitirá dizer, com autoridade e fundamento: "Tanto quanto posso ser eu mesmo a pronunciar-me sobre a minha obra, creio que há nela um ceta homogeneidade desde os primórdios até hoje.
Howard Hawks [ou Hitchcock que tinha com a montagem uma relação algo semelhante] não-autores?
Não por acaso, Hawks e Hitch são dois cineastas da "indústria" que os "Cahiers" "recuperaram" atribuindo-lhes um estatuto muito próximo do cinema "de autor.
No caso do realizador de "North by Northwest" eles são, com Chabrol e Truffaut mesmo determinantes para que Hitchcock se convertesse de um mero criador de filmes "policiais" e "de suspense", num cineasta "a sério", respeitadíssimo enquanto «autor» com uma identidade e um discurso--uma Obra---próprios.
Por tudo isto, me parece que, em vez de fórmulas ou domínios antagónicos, polarmente opostos entre si,, o cinema industrial--um certo bom cinema "induastrial", uma indústria estabilizada da produção de filmes e o génio individual, constituem modos de alguma forma e até certo ponto, complementares de expressão.
Pessoalmente, estou conviocto e já aqui o disse, pelo menos uma vez que um dos grandes problemas do Cinema em Portugal consiste precisamente naquilo de que fala Óscar Lopes e que a ficcção televisiva apenas pode agravar uma vez que está por natureza "vocacionada" para potenciar todo o problema.
Refiro-me concretamente à parte em que o autor de "Ler e Depois" discorre sobre a ausência de reflexão corrente sobre o dicurso enquanto objecto-em-si e veículo de sentido. nesse quadro, o realizador, que ainda por cima na ausência de uma indústria, provém, muitas vezes do meio escolar, de uma Escola de Cinema, tende a fazer ele, no próprio filme a reflexão em falta. De onde resulta que muitos dos filmes portugueses de hoje pouco mais são, muitas vezes, do que exercícios de forma e de reflexão sobre ela, desvalorizando-se muitas vezes a "estória-em-si" a matéria sobre a qual deveria ser moldada a própria forma.
Algo que John Huston outro cineasta, hoje-por-hoje mais ou menos pacificamnte aceite na Europa e até nos próprios Estados Unidos como um «autor» expressa na sua pópria entrevista concedida a Sarris deste modo verdadeiramente lapidar, ao depropor a sua própria definição de 'estilo': "[estilo] sdefine-se como a adaptação correcta da palavra à acção e desta à ideia" [ibid. op. cit.].
o
[Na imagem fotograma de "The Man From Laramie" dirigido por Anthony Mann com Jimm,y Stewart, Cathy O' Donnel, Donald Crispe Arthur Kennedy]

domingo, 13 de março de 2011

Manifesto por uma Sociedade Toda Ela À Rasca


Um perigo tão grande como o de negar o papel dos partidos em democracia é esse outro de sinal aparentemente contrário de conceber estes como uma espécie de paliçada inamovível erigida à frente do próprio sistema com o objectivo de filtrar mais ou menos estrategicamente o acesso dos cidadãos ao contacto com os órgãos do poder dito, apesar disso, ainda e sempre «representativo».
Tem sido esse o papel dos impropriamente chamados "partidos de poder" no paradigma perversamente partidocrata que passa entre nós, desde Novembro de 1975 por legítima democracia.

Os partidos a democracia fazem naturalmente parte dela, podendo ter no respectivo funcionamento um papel essencial desde que da sociedade civil tenham emergido núcleos organizados de vontade e de expressão cívica e política que vejo em muitos aspectos como um espécie de réplica generalizadamente cívica dos sindicatos laborais clássicos.

Penso inclusive, como tantas vezes tenho dito, que o 25 de Abril, se o período de laboratório social que medeia entre a sua eclosão e o seu esmagamento pelo novembrismo investido de expressão institucional com o I governo constitucional poderia ter dado um contributo essencial resultante da experiência assumidamente patrocinada pelo MFA de «estruturação basal integrada» da sociedade civil através das famosas comissões entretanto surgidas com o objectivo de aproximar e manter aproximadas a lógicas da democracia representativa emergente com a da democracia directa exercida nos bairros pelos respectivos moradores, nas escolas pelos alunos, funcionários e até professores [mau grado estes terem avançado para a constituição de um sindicato formal através da institucionalização da actividade dos Geps, Grupos de Estudo e Planeamento de onde sairia posteriormente a CIP a Comissão instaladora Provisória do SPGL] nos condomínios e por aí adiante.

Foi, a meu ver, justamente no sentido de recuperar o controlo efectivo das dinamias sociais e políticas, centralizando-as e mantendo-as estr[e]itamente vigiadas e, desse modo, também completamente controladas que o revanchista I governo constitucional utilizou as instituições da democracia formal. Basta recordar o modo como o respectivo ministro da Educação usou o cargo para "meter na ordem" professores e alunos, dando origem a um estilo de governação persistentemente conflitual quer faria, como se sabe, escola no sector e atingiria um inimaginável climax de afinal, inevitável] pré-ruptura com o laboral e pedagogicamente tenebroso consulado Rodrigues /Lemos/Pedreira de tão triste como ainda bem recente [péssima!] memória.

Ora, é precisamente este uso neutralizador e imobilizador das instituições com os partidos à cabeça que fundamenta aquilo a que muitas vezes chamamos "partidocracia" e que tanto e tão perversamente tem contribuído para sufocar a iniciativa cidadã no nosso país.

Em Portugal além de serem péssimos e estarem cheios de gente péssima sofrem, basicamente, da circunstância de não possuírem interlocutores sociais organizados, capazes de condicionar estrategicamente a respectiva actuação reconduzindo-a á sua vocação representativa original.
Em FRança, em 1968 lograram igualmente sufocar o movimento popular generalizado que alguma esquerda entregaria de bandeja ao "esquisito"e contraditório gaullismo

Esse é, de resto, um perigo com o qual há que contar sempre que se trate de movimentações excêntricas ao sistema e é nesse quadro que a formação da plataforma "Geração À Rasca" pode trazer alguma esperança e algumas perspectivas renovadas de reforma efectiva--popular--do sistema. Se quem esteve na Manifestação em causa percebeu alguma coisa do que esteve ali a fazer vai seguramente seguir o exemplo de organização dos promotores da iniciativa que não vieram para a rua em tropel e por conseguinte prontos para serem devorados como tantos outros antes deles pelo instinto centralizador do próprio sistema .

É, com efeito, essencial que os sectores da sociedade portuguesa que o regime tem vindo a obrigar a assumir o ónus da crise criada pela má cabeça do poder de Soares a Sócrates com um Cavaco que agora tenta fugir pela porta das traseiras do sistema ou mais apropriadamente por um buraco estrategicamente aberto no tecto deste--a presidência da República, que faz como se sabe, dos maiores incompetentes génios enviados pela Providência para pôr ordem numa "casa política" que não há coragem nem iniciativa civil para "limpar" do modo democraticamente natural, que é correndo de uma vez por todas com os verdadeiros e únicos responsáveis pelos problemas ; é, pois, vital, dizia, que os sectores que além da juventude o regime não soube integrar, aprendam a lição agora dada por esta organizando o trabalho de casa organizacional de modo a resistir à inevitável tentativa de "recuperação e integração que o sistema não há-de deixar de empreender, logo que perca a veleidade irresponsável de menos-prezar fingindo ignorá-los o significado e a importância daquilo que ocorreu ontem na Avenida da Liberdade em
Lisboa como, de resto, um pouco por todo o País.
É altura de os beneficiários do rendimento dito «social de inserção» seguirem, juntamente com todos quantos recebem o salário mínimo ou os reformados com reformas indignas, o exemplo, desta geração "à rasca" que ontem desceu as avenidas e ruas de todo o Pais, sabendo exactamente o que pretende e onde estão os seus inimigos naturais, i.e. aqueles que, com a sua inépcia e a sua cupidez, os colocaram na presente... "enrascada"..

Continuo, pessoalmente, a não ver outra saída para um sistema político completamente enquistado, bloqueado e incapaz de responder às aspirações dos respectivos cidadãos que não passe pelo que chamo o sindicalismo cidadão que aqui proponho e que ao contrário do que muitos apressadamente afirmam configurar uma espécie de sovietização" da sociedade portuguesa, uma vez que nãso se trata de descarregar o poder ou sequer o seu exercício em "sovietes" disfarçados mas de, como atrás digo, de constituir núcleos de organização cídadã de base com o propósito de constituirem em interlocutores dos partidos cuja vinculação as aspirações da sociedade real tenderia desse modo a sair reforçada, evitando-se desse modo a deriva do sistema para formas de autocracia plebiscitária caracterizada pelo autismo do poder, supostamente representativo relativamente à sociedade que ele deveria precisamente representar.

Quando ouvimos o actual primeiro-ministro dizer que o governo a que preside "está a fazer tudo para responder ás aspirações da juventude" e, depois vemos a resposta dessa mesma juventude às políticas em causa, perecebemos sem dificuldade a existência de um abismo entre o poder e a sociedade que, nem com a sua proverbial irresponsabilidade e arrogência o goveerno logra disfarçar e que podeia naturalnmente atenuar-se ou mesmo idealmente inexistir caso o poder fosse obrigado a debater as medidas sectoriais da sua actividade legiaslativa em sede de concertação social e política com organizações de cidadãos devidamente madatados para o efeito, como sucede no sindicalismo formal.

Diria para concluir que a fecunda experiência social e política de 1974 e que constituiu, a seu modo, uma via original, senão para o socialismo [que é coisa bem diferente daquilo que passa por tal hoje entre nós] seguramente para a democracia exercida de forma natural e orgânica, como demoinastravelmente pretenderam os sectores mais avançados do MFA.

Portugal até sabe, pois, como "se faz" e os "jovens à rasca" que desceram à rua ontem evidenciaram-no à saciedade.

É, com efeito, na "Rua" [de muitas saídas à Rua!] que se constrói e consolida uma consciência social até agora inexistente e que há-de idealmente conduzir à definição de formas de organização civil não-imposta as quais podem funcionar como o embrião do «sindicalismo cidadão», resultante da «cooperativização» das formas realmente autónomas de expressão e paerticipação civil que os partidos hoje manifestamente se preocupam em geral, tão pouco já nem digo por integrar mas até já simplesmente em, ao menos, ouvir.


[Na imagem: manifestação de "suffragettes" em Newcastle, U.K. imagem extraída com a devida vénia de bioscope-dot-worpress-dot-com]

"Fukushima: um sério aviso aos aprendizes de feiticeiro«desenvolvimentistas»! [republicado do Facebookde uma mensagem do No Nucleare No Carbone No]"



Ciao a tutti, come va?

Brutte nuove.

Purtroppo in Giappone hanno costruito delle centrali nucleari in riva al mare in una zona ad alto rischio tsunami e 3 reattori sono stati danneggiati dalla furia delle acque e si rischia una Chernobyl al cubo. Ci sono già 240 mila evacuati.

Fanno tutto finto, guerre finte, ma combattute veramente per speculare sulle armi, finti attentati, finti partiti politici, finte mignotte che fingono che gli piaccia il sesso, finti cantanti che non hanno nemmeno la voce, allora potrebbero anche fare finte centrali nucleari pericolosissime con finte scorie dannosissime e finti incidenti, e poi produrre energia gratis con motori magnetici nascosti dentro le centrali nucleari, conservando il monopolio, facendoci pagare carissima l'energia, ma senza consumare materie prime e distruggere il pianeta.

Perchè fanno centrali nucleari vere se con i motori magnetici si potrebbe produrre energia pulita gratis?

Ci vivono anche loro in questo mondo, se non volgiono darci ad ognuno un motore free energy, potrebbero fare delle grandi centrali con motore magnetico e rivenderci l'energia a caro prezzo, ma pulita, innocua.

Perchè vogliono generare il terrore? Non è per soldi, ordo ab chaos?

A questo link il trucco per autocostruirsi un motore magnetico ed avere per sempre energia gratis pulita:

http://www.youtube.com/watch?v=cyXZiL8ECVg

Ad un ingenuo osservatore potrebbe sembrare che nel mondo ci siano centinaia di problemi. In realtà sono state offerte ottime soluzioni per ogni problema, ma sono state rifiutate. Quindi bisogna capire quale sia il problema che induce il governo mondiale a preferire un mondo devastato da guerra, cambiamento climatico, povertà, e trovare la soluzione. Chi ci riuscirà diventerà il più grande uomo di sempre. A questo link alcuni indizi:

http://www.facebook.com/note.php?note_id=198109450200163&id=131963010153055&ref=mf

Secondo me il problema è vecchio come il mondo. Le donne vanno con i più ricchi e i più stronzi e quindi per impadronirsi delle donne i maschi fanno a gara per avere sempre più soldi, sconfiggere i rivali, dimostrare che sono cattivissimi, possedere tutto, comprare gli oggetti più pregiati, le case più lussuose, e soprattutto sottomettere gli altri per dimostrare di essere potenti.

Se le donne odiassero gli stronzi ricchi e potenti, accadrebbe che quando vanno a letto con loro gli mordererebbero l'uccello, li ucciderebbero a tradimento nel sonno, litigherebbero sempre rendendogli la vita impossibile.

Nessuno si mette una vipera nel letto, e tantomeno una tigre.

Se le donne preferissero i buoni, saggi, altruisti, ecologisti, poveri, ci sarebbe la fila sotto casa mia. Tutti vorrebbero fare l'attivista come me nella speranza di cuccare. Nessuno si sognerebbe di mostrarsi stronzo, ricco, potente perchè subito verrebbe giudicato male dalle donne.

Le donne stimano le persone buone che svolgono lavori utili, e fanno sesso più volentieri con ragazzi belli carichi di energia positiva, ma non impazziscono per il sesso e quindi preferiscono avere relazioni durature con uomini ricchi e potenti.

Fra un uomo che stimano, che svolge lavori utili non retribuiti adeguatamente, che sessualmente le fa godere, che viene perseguitato perchè ecologista, altruista e saggio, ed invece uno ricco e potente che costruisce centrali nucleari che sessualmente gli fa schifo, preferiscono il secondo.

Non sto colpevolizzando le donne, semmai Dio che le ha fatte così. Mettetevi nei panni di una ragazza carina, ogni giorno centinaia di persone la guardano, magari si masturbano pensando a lei, la vogliono toccare, la vogliono scopare, le offrono soldi, se ne fregano di altre sue virtù spirtituali. Pensate ad una ragazza che vuole avere dei figli e garantirgli protezione, sicurezza, cibo buono, scuole buone, salute, una bella casa, tanti giochi.

Per prima cosa cerca qualcuno che la possa proteggere anche se è stronzo. E così gli stronzi si ingraziano le donne riempiendole di regali e di lusso, creando il caos nel mondo, generando povertà, sottomettendo i buoni, perseguitando i rivali, in modo che tutte le donne finiscano nelle loro braccia.

Quindi secondo me per risolvere tutti i problemi del mondo bisogna risolvere questo problema. Il problema alla radice di tutto secondo me è questo.

La storia nel corso dei secoli in tutte le culture si è andata strutturandosi sull'assunto che le donne prediligono gli stronzi ricchi e potenti e quindi ovunque si sono create società gerarchiche violente in cui i potenti accumulavano capitali e sottomettevano le masse.

Iscrivetevi al nostro gruppo No Nucleare ed invitate tutti i vostri amici con la funzione suggerisci agli amici in alto a destra nella pagina:

http://www.facebook.com/pages/No-Nucleare-No-Carbone-No-Petrolio-Energia-pulita-rinnovabile/131963010153055

Grazie dell'attenzione.

Domenico Schietti


Strategia del terrore: incidente nucleare in Giappone per giustificare il governo mondiale NWO?
http://www.facebook.com/note.php?note_id=205591459451962

quinta-feira, 10 de março de 2011

segunda-feira, 7 de março de 2011

Return To Snowy River-Descent


"River of no Return" unm filme de que gosto particularmente. Otto Premiger um magnífico contador de belíssimas histórias.

Le scene più belle del cinema: I Soliti Ignoti



O grande Monicelli: Com ele, a comédia pensava! "Guardia e Ladri" era verdadeiramente genial, um filme onde a fome era [e é!] exorcizada num riso cortante, inteligentíssimo. "La Grande Guerra"é a epopeia do homem simples, o heroísmo do medo, "I Soliti Ignoti" um portentoso "Ladri di Bicicleti" ludidamente consciente das potencialidades subversoras---e subversivas!---do riso.
Com Monicelli, o riso era de fascto uma forma de inteligência e de pensamento.

sábado, 5 de março de 2011

OVO Zootropo / Two Little Girls From Littlerock.

Bob Hope-Buttons and Bows



"The Paleface" Bob Hope and Jane Russell

MAis Alguns «Pares Célebres» do Cinema"

Jane Russell e Marilyn Monroe em "Gentlemen Prefer Blondes" de H. Hawks

[Delas diz Hawks que "funcionavam tão bem em conjunto que, de cada vez que tinha dificuldades em inventar qualquer coisa para o filme mandava-as deambular pelo set e o público ficava encantado apenas com isso"]

Eis mais alguns 'pares' célebres do Cinema reevocados a partir da notícia do falecimento de Jane Russell.

Ryan O' Neill & William Holden os "wild rovers" de Blake Edwards

Stan Laurel & OLiver Hardy [ Estica e Bucha]


A cópia: Bud Abbot & Lou Costello

Robert Redford e Paul Newman, "the Sundance Kid e Butch Cassidy" para George Roy Hill

Dean Martin e Jerry Lewis